Loterj

Imprensa

Notícias

04/04/2016

LOTERJ recebe visita de atletas cadeirantes da PMERJ

Nesta segunda-feira (04/4), três atletas do projeto Renascer, Servir e Proteger, fizeram uma visita à Loterj para debater sobre as dificuldades enfrentadas por atletas cadeirantes da Polícia Militar do Estado do Rio Janeiro.

Com o objetivo de cuidar e amparar aqueles que perderam os movimentos das pernas ou braços, em algum acidente ou no cumprimento do dever, o projeto funciona desde 2009 e atende cerca de 20 atletas no Centro de Educação Física e Desportos da Polícia Militar (CEFD), em Sulacap.

“Queremos que o cadeirante saia de casa. Precisamos dar o exemplo e mostrar para ele que ele pode lutar pela sua autonomia. Acreditamos que o esporte é uma grande ferramenta incentivadora e que pode ajudar o cadeirante a sair da depressão”, contou o atleta Jonas Licurgo durante o encontro.


Superação e desafios

Jonas Licurgo é sargento reformado da Polícia Militar (PM) do Rio ficou paraplégico há 15 anos, por conta de um tiro que o atingiu durante um assalto em Madureira. O ocorrido mudou a vida do policial que hoje, depois de muita luta, se tornou um grande atleta.

A cadeira de rodas tornou-se ferramenta de superação e o atleta num grande exemplo para a pessoa com deficiência no Brasil. O Medalhista de ouro do ParaPan 2015, realizado em Toronto, no Canadá, é hoje um recordista em lançamento de dardo, disco e arremesso de peso.

Embora sua carreira no esporte esteja deslanchando, Licurgo afirma que sua trajetória não está sendo nada fácil. Ele treina todos os dias, mas as condições estão longe das ideais para um esportista de alto rendimento.
“Muitas vezes falta verba para compra de material, uniforme ou até as vitaminas necessárias para os meus treinos”, contou o atleta que deposita nas Olimpíadas de 2016 a esperança de uma maior visibilidade que esta traga para ele e para o Projeto Renascer, Servir e Proteger melhorares condições para os atletas cadeirantes.

Loterj continua ajudando a pessoa com deficiência a lutar pela sua autonomia

Mesmo com a crise financeira do Estado do Rio de Janeiro, a busca pela melhor qualidade de vida e autonomia da pessoa com deficiência permanece em foco para a Loterj.

A Loteria do Estado do Rio de Janeiro destinou nos últimos 9 anos parte de seu lucro com a venda da Raspadinha do Rio e Rio de Prêmios para instituições de apoio à pessoa com deficiência.
 
Dessa forma, a autarquia tornou-se imprescindível no desenvolvimento de programas de atendimento a essas famílias, promovendo o acesso ao transporte, saúde, cultura e esporte. 

Já foram diversas instituições beneficiadas como a Andef, APAE, Pestalozzi , ABBR, Associação Fluminense de Reabilitação, entre muitas outras que receberam ou ainda recebem o apoio da Loterj.

Em 2015 foi lançado junto com o RioSolidario o programa Loterj Já Autonomia Sim, que  consiste em processos seletivos mediante chamamento público para celebrar convênio com entidades privadas sem fins lucrativos, que atendam pessoas com deficiência e sejam cadastradas e habilitadas no Sistema de Convênios do Estado do Rio de Janeiro (Converj).  

 

 

voltar